quarta-feira, 4 de abril de 2018

O mundo está ficando chato!


“Conduta de pais, caminho de filhos”;
“A fruta não cai muito longe da árvore”;
“Nem sempre o pai rico deixa a maior herança”;
“Filho de Peixe...”

Você sabe o que é meme? Claro que sabe. Um dos memes mais famosos da internet é aquele “cutout” do filme pulpfiction, onde o personagem do John Travolta, Vincent Veja, fica por um momento desnorteado ao ouvir a voz da Mia Wallace, sem saber onde ela está. Um dia, um usuário do “Imgur” usou o gif para ilustrar uma situação do tipo “não estou entendendo nada” e a cena virou sinônimo imediato de momentos de confusão. Nas redes sociais, meme é o nome que se dá ao grafismo de uma ideia, normalmente associada a uma função humorística. Mas pouca gente sabe que essa é só uma apropriação do termo, que tem um significado diferente, apesar de um pouco relacionado.

A palavra “Meme” foi primeiramente cunhada pelo Biólogo Richard Dawkins, em 1976, em seu livro “O Gene Egoista”. Dawkins é um grande especialista em Etologia, o ramo das ciências biológicas que estuda o comportamento dos animais, além de ser uma das mais respeitadas referências na compreensão da evolução das espécies pela seleção natural. Ele usou a palavra na intenção de estabelecer um paralelo entre a biologia e as relações sociais humanas, em uma metáfora que explica como as sociedades podem evoluir da mesma forma que as espécies, através da transmissão de ideias de um cérebro para o outro.

Na biologia, o gene é a menor unidade possível de informação que tem a capacidade de se replicar, que sofre mutação e que ao trabalhar em grupos, ou “geneplexos”, determinam características físicas ou comportamentais dos organismos,os “fenótipos”. Ora, da mesma maneira, ele propôs o meme como a menor unidade de informação que tem a capacidade de se replicar, que sofre mutação e que ao trabalhar em grupos, ou “memeplexos”, determinam as características ideológicas das sociedades. Ou seja, os memes seriam as unidades básicas e replicantes das ideais, saltando de cérebro em cérebro em um determinado grupo social, sendo selecionados conforme a sua capacidade de sucesso, em uma espécie de seleção artificial não intencional.

Da mesma forma que existem geneplexos com maior e menor importância para a construção de um organismo, há memeplexos mais ou menos relevantes para a identidade de uma sociedade. Vamos dar exemplos: A língua falada é uma das características estruturais de uma sociedade, algo que ajuda a definir suas fronteiras, interfere nos seus costumes, limita as influências. Cada palavra, dentro de um dado idioma, poderia ser chamada de um meme. Assim como cada entonação que caracteriza um sotaque, cada expressão que transmite uma mensagem singular. Quanto mais desses memes é passado de uma pessoa para a outra, maior a influência desse idioma em sua vida. A religião, outro dos grandes fenótipos sociais, ou “Sociótipos”, é composta por uma série de memes, que são as ideias, dogmas, estórias, personagens. Quanto mais desses memes forem transmitidos para alguém, maior a chance deste sociótipo influenciar seu comportamento.

Já pescou qual a relação dessa coisa de memes com o tema da paternidade? Pois é, os memes, assim como os genes, têm transmissão vertical, ou seja, de pai para filho. Como a nossa é uma espécie onde o filhote tem alto grau de dependência, até um período de tempo muito grande após o nascimento, este filhote foi cuidadosamente selecionado pela evolução para ser susceptível a receber ensinamentos dos pais.Consequentemente, a aceitar também a transmissão dos memes que influenciam a personalidade e comportamentos dos pais. Assim, uma criança que nasça em um lar que fala português, tem uma probabilidade elevadíssima de aprender a falar essa língua e uma chance também elevada de que esse seja o único idioma que irá falar por toda a vida. Comparativamente, a criança de um lar muçulmano, tenderá também a ser muçulmana, com grande chance de manter essa religião até o fim.

Aí reside uma boa notícia: A única forma de evitar que um gene passe para a próxima geração é evitando ter filhos, ou morrendo antes de tê-los. Mas para colaborar para a erradicação de um memevocê pode evitar, de forma deliberada, transmiti-lo aos teus filhos. Se não quer que seu filho seja machista, por exemplo, um dos memes a erradicar são as piadas sexistas. Então, você pode ensina-lo a desprezar esse tipo de informação, estimula-lo a indignar-se em lugar de achar graça. Mas também há uma má notícia: O meme, ao contrario do gene, tem também transmissão horizontal, ou seja, não é só de pai pra filho que ele passa. Isso é bastante obvio, nossos filhos receberão a transmissão de ideias de todas as direções, dentro e fora da família. Então, para colaborar com a erradicação do nosso meme exemplo, uma piada sexista, não basta apenas instruir nossos filhos, é também preciso combater esse meme no mundo exterior, no entorno social em que convivemos, mostrando repulsa a esse tipo de informação, tornando quem fez a referida piada constrangido em lugar de estimulado.

As sociedades, assim como as espécies, evoluem. E da mesma maneira que as espécies, as sociedades evoluem pela seleção dos memes mais aptos a se transmitir de um indivíduo para o outro. Assim, os sociótipos são todos muito plásticos. Uma língua pode mudar, acrescentando ou excluindo verbetes, campos semânticos, sintaxes. Ela pode aumentar sua área de atuação pela migração, colonialismo, acordos políticos. Ela pode diminuir ou até desaparecer, tornando-se uma língua morta. E estas mudanças nos sociótipos, pelo sucesso e fracasso de cada meme, força a sociedade a mudar, lenta e gradativamente ou na forma de grandes revoluções. Isso vale para qualquer outro sociótipo, como a religião, as correntes políticas, a moda, as tradições culturais, o humor e até os preconceitos. Eles mudam ou “mutam” e as sociedades dão origem a outras completamente diferentes.

Entende o poder que você tem de mudar a nossa sociedade? Como formador de opinião, você tem o poder de influenciar pessoas ao seu redor, criando um mundo diferente para os teus filhos. E como pai você pode influenciar a formação do teu filho, criando filhos melhores pro teu mundo. Basta que escolha com cuidado quais memes passam e quais não passam. Um por um. Você só precisa examinar a si mesmo e aos teus pares, para descobrir quais memes você quer cultivar e quais você quer erradicar. Se você achar que o mundo esta demorando demais a mudar, permita-me usar um meme no sentido “internet” da palavra: O mundo não é assim. Ele só está assim. A mudança às vezes leva tempo. E se você já está vendo as mudanças e acha que o mundo esta ficando chato, lembre-se de que talvez ele só esteja ficando melhor. Mude com ele.



CARLOS RESENDE
Engenheiro, tecnologista de materiais para construção, sou marido da Josy, padrasto do Bruno e Pai do Heitor. Todas estas funções me pegaram de surpresa e tive que me virar para fazer jus a cada uma delas. Principalmente esta última. Cara! Como é difícil esse negócio de ser Pai! Não posso dizer que não sabia, mas posso dizer que tem muita coisa que ainda não sei sobre isso. Mas eu vou acabar aprendendo, uma por uma, todas as manhas dessa profissão / sacerdócio / vício / pesada... E aí conto elas aqui. Por falar nisso, que legal esse espaço, não é? Finalmente um lugar para os Papais, entre tantos lugares para as Mamães. A gente se vê por aí!

2 comentários:

  1. O Carlos, que bacana seu texto! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Viviane! Quanto tempo. Obrigado! Espero que esteja super feliz. Abraço grande!

      Excluir