quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Maternidade e reconstrução



Quando estamos grávidas, não temos noção do que realmente acontecerá em nossas vidas. O bebê nasce e aí temos uma ideia de como serão cansativos e, ao mesmo tempo, felizes os nossos dias a partir daí.

Quando penso no futuro do meu filho, imagino algo maravilhoso. Quero que ele seja um homem seguro, confiante, feliz, inteligente emocionalmente, esforçado, que tenha compaixão pelas pessoas, que não seja arrogante e nem se sinta superior a ninguém. Que esteja certo de suas escolhas e assuma as consequências delas. Que tenha sonhos e lute por eles. Que seja grato pelas oportunidades que lhe são oferecidas.

Como toda mãe, quero o melhor pra ele! Quero que trilhe o caminho do bem! Quero que faça o que é certo mesmo que ninguém esteja vendo. Quero que faça o certo mesmo que todos ao seu redor estejam fazendo errado. Quero que lute por um mundo melhor sendo ele mesmo a mudança que almeja ver nos outros.

E, para mim, só há um jeito dele aprender tudo isso: por meio do exemplo.

Ensinar uma criança é tarefa que qualquer pessoa pode fazer, mas para educar precisamos SER!
Eu preciso ser o exemplo de vida para o meu filho! Preciso mostrar, mais que falar, que o mundo só deixará de ser o que é (e não está nada bom, vamos combinar) se EU fizer a minha parte! Seus olhinhos estão atentos às minhas atitudes mais que seus ouvidos à minha fala.

Sabe o que isso significa? Me reconstruir!

E reconstrução implica deixar o orgulho de lado e isso, minha gente, dói na alma! Dói porque terei que me "humilhar", terei que reconhecer que errei. Terei que rever meus conceitos tidos como certos. Mudar minhas atitudes e, (ai, meu coração ), reconciliar-me com algumas pessoas que fazem parte da minha vida e da vida dele!

Significa lutar contra mim mesma!

Significa mudar meu coração e praticar a empatia com pessoas que só quero distância. E como é difícil esse lance de empatia! Como é difícil reconhecer que não sou essa coca cola toda.

E, ó, como é complicado dar  esse primeiro passo! Confesso que já pensei em desistir, mas essa nunca foi uma palavra que combinasse comigo e meu filho merece ter a melhor mãe que eu consigo ser!

E, mesmo sendo uma tarefa difícil de ser cumprida, não há preço que uma mãe não pague pelo filho! O caminho é trilhado de mãos dadas com aquele que, definitivamente, veio para virar nosso mundo e mudar nossos corações,

Nenhum comentário:

Postar um comentário