quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Colorindo a vida do bebê


Cá entre nós: o quarto do nosso bebê é a materialização dos nossos sonhos. Estamos, afinal, preparando o quarto de uma pessoinha que sequer nasceu e sobre a qual não sabemos nada. E por se tratar de um sonho para a maioria das pessoas, é um ambiente pensado com minucia e cautela, durante um processo cheio de dúvidas e expectativas.

Uma dúvida muito recorrente, sobretudo ente os papais e mamães de primeira viagem, é sobre a paleta de cores a ser escolhida para pintar aquele mundinho que começa a existir. No passado, era comum se apegar a única informação disponível sobre o bebê – o sexo – e fazer uma escolha considerada óbvia: rosa para menina e azul para menino. Associar cor à gênero, no entanto, já ficou obsoleto. E isso é maravilhoso. As possibilidades hoje são infinitas. O mercado está extremamente diversificado – em termos de tintas, mobiliários, adornos e demais complementos. E as tendências convidam à diversificação.

Encontra-se em alta, por exemplo, traduzir o sentimento de estar à espera de um príncipe ou uma princesa, em um quarto com inspirações vindas da realeza. Geralmente, são ambientes com uma base branca ou bege, mas com forte presença do dourado ou prateado. Um clássico, digno de um bebê real, independe do gênero.

Outro hit na decoração atual é o estilo escandinavo, que têm aparecido com frequência nos quartos de bebê, exatamente por privilegiar os tons pastel, como bege, off-white, nude e tons naturais de madeira. E por falar em madeira, vale uma menção especial aos protagonistas dos quartinhos: os berços. Podem observar: os berços de madeira voltaram com tudo, trazendo aconchego e muitas memórias afetivas para o ambiente.

Se a ideia for combinar cores, não trabalhamos com limites. Apenas com bom senso. Fugir do óbvio e apostar em combinações como azul com amarelo ou rosa com verde é uma ideia incrível para que o quarto seja único e personalizado.

Mas atenção, estamos falando de um quarto de bebê, então é importante que as combinações de tonalidades sejam suaves e que haja sempre uma base neutra. Outro cuidado, é sobre evitar escolher elementos que sejam muito exclusivos do universo de um recém nascido, afinal, brevemente aquele ambiente será transformado no quarto de uma criança.


No mais, é só soltar a imaginação e escolher com muito amor e carinho aquelas cores que, vejam bem a importância disso, serão as primeiras a serem reconhecida por seu bebê. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário